Bem-vindo!
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe
 

 Parece que você é a única que sabe como é ser eu

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 499
Data de inscrição : 28/02/2014

Parece que você é a única que sabe como é ser eu Empty
MensagemAssunto: Parece que você é a única que sabe como é ser eu   Parece que você é a única que sabe como é ser eu EmptyDom Jan 17, 2016 11:15 pm

Título: Parece que você é a única que sabe como é ser eu
Autor: strawberriesapples
Shipper: Nenhum
Gênero: Crossover
Censura/Classificação: PG-13
Capítulos: One shot
Nota: está depois da fic
Resumo ou uma promo: Peter tem uma notícia que pode mudar drasticamente sua vida...





Peter tinha um olhar vazio em seu rosto quando ele desligou o telefone. Ele estava pálido e parecia que ia desmaiar.

"Peter? Você está bem?"

Ele caminhou lentamente até o sofá e sentou-se tão lentamente quanto.

"Peter?" tentou Davy, acenando com a mão na frente do rosto de seu amigo.

"Cara, você parece que vai ter um troço ou algo assim! Eu vou pegar um copo d’água!"

Michael correu para a cozinha enquanto seus amigos tentavam descobrir o que aconteceu com Peter.

"Com quem você estava falando no telefone?"

"O que eles disseram?"

"Ei, pessoal, calma. Aqui está, Pete. Você ahn... fala com a gente quando estiver pronto."

Peter engoliu a água e soltou um suspiro alto.

"Eu... Eu acabei de falar com..."

Os outros três prestaram o máximo de atenção.

"Vocês se lembram daquela garota que eu namorei alguns meses atrás?"

Os outros trocaram um olhar e balançaram a cabeça. Eles não se lembravam.

"Aquela loira bonita que estudava na UCLA?"

Eles ficaram ainda mais pasmos.

"Não..."

"Não mesmo!"

"Aquela... que... que tinha uma amiga..." Ele estava ficando embaraçado. Ele teve uma... experiência durante o tempo que namorou aquela garota.

"Uma amiga...?"

"Que meio que..."

"Fez o que?"

"Me... Teve... ?"

"Ohhhhhhhh!!!!" Os outros três disseram coletivamente. Eles se lembraram. Eles tinham implicado com Peter impiedosamente por dias!

Ele tinha a impressão de que seus amigos iriam começar a provocá-lo novamente, mas foi a única maneira de fazê-los lembrar... da mulher.

A mulher que tinha acabado de lhe dar a notícia mais complicada de sua vida. A mulher que agora tinha virado sua vida de cabeça para baixo. A mulher que tinha transformado-o em um adulto responsável a partir de agora.

Ou assim ele pensava.

"O que ela disse?"

"Ela te pediu para apresentá-la a um de seus amigos? Porque eu estou disponível, sabe..."

"Vamos, rapazes, isso é sério. O que ela te disse, Peter?"

"Sim, eu estava brincando. O que ela disse que fez você virar geléia?"

"Bem, ela... ela quer que eu conheça alguém..."

"Mmm, alguééém!"

"Micky!"

"Ok, eu vou parar."

"Ela quer que você conheça a família dela, Peter?"

"Ahn... sim, mais ou menos..."

"Por quê? Será que ela quer que você se case com ela? Ela está grávida?"

"Ela não parece uma garota que se casa com um cara só porque ela está grávida!"

"Ela não está grávida e que ela não quer se casar comigo!"

"Então? O que ela te disse, então?"

"Ela me disse que... o bebê já nasceu."

Os amigos de Peter ficaram incrédulos. Seus olhos estavam arregalados e seus queixos estavam praticamente no chão.

O amigo tímido, sensível e lesado, pai? Não podia ser. A mulher deve ter mentido!

"Você tem que verificar isso, Peter!"

"Não é possível!"

"Você não usou um preservativo, cara?!"

"Ela deve estar mentindo!"

"Não pode ser seu!"

"Ela deveria ter tomado a pílula, sendo tão pira-"

"GENTE! CALA A BOCA!"

Eles ficaram quietos imediatamente e olharam para ele fixamente.

"Eu... Eu quero ver o bebê."

E foi isso o que ele fez. No dia seguinte, Peter foi ao parque onde ele havia combinado com sua ex-namorada. Lá estava ela em um banco, linda como sempre, seu longo cabelo loiro voando com o vento.

E ela estava segurando um bebê. Ele engoliu em seco e se aproximou dela.

"Oi."

"Oi! Você veio!"

"Sim... ahn... é ela?"

"É... Você quer segurá-la?"

"P-Posso?"

"Claro!"

Ela levantou-se e entregou a ele o bebê.

Peter nunca tinha visto uma coisa mais linda em sua vida. Ele era a menina mais doce que ele já tinha visto. A penugem loura pálida em sua cabeça, o narizinho pequeno e os olhos verdes deixaram-no de pernas bambas.

Sua filha.

"Ela é tão linda..." era tudo que ele conseguia dizer.

Ele só olhou para a inocente criança em seus braços e sentiu uma lágrima ameaçar cair de seu olho. Depois de muitos minutos, ele finalmente perguntou algo para a mãe da menina.

"Qual o nome dela?"

"Phoebe."

***

Peter estava em Nova York novamente depois de muitos e muitos anos. Trinta anos mais tarde, ele ainda via e tocava com seus companheiros Monkees com bastante frequência. Mas agora eles estavam de férias. Ele tinha decidido ir a Nova York para consertar seu coração partido depois de um divórcio doloroso e porque ele realmente não ia lá há algum tempo.

Ele entrou em um café para fugir da chuva e pediu ao garçom um café mocha e um muffin.

O café tinha personalidade. Parecia uma sala de estar boêmia, se é que tal coisa existia. Tinha um sofá e uma mesa de centro em frente a ele. Muito peculiar. Ele gostou. Ele sentou-se e esperou seu pedido.

Ele casualmente tirou os óculos e procurou um lenço para limpá-los. "Onde foi que eu coloquei?" disse para si mesmo.

Ele não tinha nem percebido que havia uma mulher sentada na outra ponta do sofá.

"Aqui", ela disse, entregando-lhe um lenço de papel. "São excelentes para limpar lentes de óculos. Mas péssimos para as lentes da mente."

Peter congelou. Ele reconheceria aqueles olhos em qualquer lugar. E ela disse algo sobre as lentes da mente? Isso soou como algo que ele mesmo teria dito na idade dela...

"Obrigado."

Ela sorriu o sorriso mais amável. Ele sorriu de volta.

De repente, uma moça agitada entrou no café.

"PHOEBE! Aí está você! Eu tava procurando você! A Monica acabou de dizer que ela quer falar com a gente!"

"É provavelmente algo do trabalho, Rach! Ela nunca vai confessar que ela tá trocando fluidos corporais com o Chandler!"

"Nós vamos deixar ela bêbada e fazer com que ela confesse! Não podemos perder esta chance! Vamos!"

"OK! Tchau!" ela disse a ele, e saiu com pressa com sua amiga.

Era ela. Só podia ser ela. Quantas mulheres existiam em Nova York, que se chamavam Phoebe, que pareciam partilhar a sua linha de pensamento e... que tinham aqueles olhos?

Apenas ela, ele apostava. Era ela. Ele tinha certeza disso.

Perdido em seus pensamentos, ele distraidamente tomou um gole de seu café e deu uma mordida no muffin.

Esta poderia ser a melhor ou a pior viagem a Nova York de todos os tempos. Cabia a ele fazer o melhor dela. Ou não...



FIM


Nota: Depois de ver Os Monkees todinha eu achei que o Peter me lembrava a Phoebe de Friends! Aí me veio a ideia louca de escrever isso!
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 499
Data de inscrição : 28/02/2014

Parece que você é a única que sabe como é ser eu Empty
MensagemAssunto: Re: Parece que você é a única que sabe como é ser eu   Parece que você é a única que sabe como é ser eu EmptySeg Jan 18, 2016 2:28 pm

P.S.: Eu fui com a ideia original da série, onde a Phoebe não tinha irmãos (a Ursula virou a gêmea da Phoebe pra Lisa Kudrow continuar fazendo os dois papéis e o Frank Jr. só apareceu na terceira temporada). Nesse meu UA louco ela tem o sobrenome Buffay porque a mãe dela a registrou com o nome do outro namorado...
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
 
Parece que você é a única que sabe como é ser eu
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» como ajeitar o cabelo para dormir?
» Cachos sem vida
» O CRENTE FARISEU E O CRENTE PÚBLICANO
» ORGANISTAS - MANGAS DOS VESTIDOS E DAS BLUSAS.
» Cristã revela como é cultuar a Deus em igrejas subterrâneas, em um país marcado pela perseguição religiosa

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
J-fics :: The Monkees-
Ir para: