Bem-vindo!
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe
 

 Tão casual quanto pode ser

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 499
Data de inscrição : 28/02/2014

Tão casual quanto pode ser Empty
MensagemAssunto: Tão casual quanto pode ser   Tão casual quanto pode ser EmptyDom Jan 27, 2019 11:24 pm

Título: Tão casual quanto pode ser
Autor: strawberriesapples
Shipper: Egon/Dana
Gênero: Romance
Censura/Classificação: R
Capítulos: 3
Nota: Ghostbusters 2
Resumo ou uma promo: Ele estava curioso para ver como a noite ia acabar. Ela estava determinada a se divertir com ele.


Eles se encontraram em uma festa. Ele havia sido convidado pelo dono do hotel; ela fazia parte da orquestra. Tocaram em um teatro em Nova Jersey e o dono do hotel lhes deu uma festa. Era o aniversário da orquestra.
Ele e o dono do hotel foram companheiros de faculdade.
Ele e a violoncelista eram... parceiros.
Ela havia terminado com o vigarista pela décima vez. Ela queria encher a cara.
Ele tinha sido incomodado pelo idiota durante os últimos dias. Ele queria fugir.
Ele estava desfrutando de vários copos de vinho.
Ela estava bebendo sem parar sua taça de champanhe.
Ele a viu. Seu sorriso marca-registrada apareceu.
Ela o viu. Ela sorriu de orelha a orelha.
Ele disse ao dono do hotel: "Eu poderia me perder nas curvas da violoncelista..."
Ela disse a uma colega musicista "Eu adoraria sentir as mãos do amigo do proprietário pelo meu corpo..."
O dono do hotel disse-lhe para ir em frente.
A violinista disse a ela para falar com ele.
Eles se afastaram de seus respectivos companheiros e se aproximaram.
"Egon!"
"Dana!"
"O que você está fazendo aqui?"
"Hilton me convidou para vir..."
"Só você?"
"Sim..."
Ela sorriu. Ele era o mais sofisticado dos quatro, mesmo.
"Fomos contratados para tocar aqui..."
"Sim... Sempre a melhor, certo?"
Ele também sorriu. Ela era excelente no que fazia.
"Mais vinho?"
"Na verdade, acho que prefiro um pouco do seu champanhe..."
Ela levou o copo aos lábios dele; ele cobriu a mão dela com a dele e bebeu do copo dela.
Ela mordeu o lábio inferior.
Ele estava ciente de que tinha bebido um pouco demais.
Ela sabia que estava ficando bêbada.
Ele estava curioso para ver como a noite ia acabar.
Ela estava determinada a se divertir com ele.
"Então..." ela começou, "mais casos estranhos ultimamente?"
"Não... só os normais vapores perambulantes de classe três..."
"Está entediado?"
"Um pouco."
"Sim."
"E você? Você não tem sido mais perseguida por senhores do mal em pinturas, não é?"
"Hahaha, não... Oh, mas teve outro estrangeiro esquisito possuído no mês passado."
Eles riram.
Conversar com ela era tão descomplicado.
Conversar com ele era tão confortável.
Eles tomaram mais champanhe e conversaram mais um pouco.
De repente, ela ouviu:
"Você quer sair daqui?"
"O que?" ela perguntou, com um sorriso no rosto.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 499
Data de inscrição : 28/02/2014

Tão casual quanto pode ser Empty
MensagemAssunto: Re: Tão casual quanto pode ser   Tão casual quanto pode ser EmptyDom Jan 27, 2019 11:26 pm

2


"Você parece... desinteressada."
"Bem... há uma última coisa que eu tenho que fazer..."
"O que?"
Ela discretamente pegou uma garrafa de vinho e disse, com um sorriso:
"Agora podemos sair daqui."
Ele sorriu e agarrou-a pela mão, tentando sair discretamente do salão de baile.
Ele apertou o botão do elevador e eles entraram.
"Nós estamos... subindo?" ela perguntou, quando o viu apertar o botão do sétimo andar.
"Sim..."
"O que há no 7º andar?"
"Meu quarto... A menos que você pretenda ir a outro lugar..."
"Oh, eu não tenho essa intenção..."
"Ótimo..."
Eles saíram do elevador e entraram em seu quarto.
"Mais vinho, Dr. Spengler?"
"Só se você beber mais champanhe comigo." ele disse, pegando a garrafa que estava em um balde de gelo.
"Pois não!" ela respondeu, pegando duas taças ao lado do balde.
Eles se sentaram no sofá e ela começou:
"Estou tão feliz que você veio sozinho esta noite..."
"Francamente, eu também estou..."
"Eu acho que poderia vomitar se visse Peter..."
"Somos dois, então..."
"Ha! Ele tem sido o idiota habitual, né?"
"Como é que você adivinhou?"
Ela riu. Ela olhou para ele, tomando seu vinho. Ele parecia mais bonito essa noite. Com aquele terno escuro, aquela gravata cor de vinho... oh! Talvez fosse isso! Ele estava vestindo preto! Ela nunca o tinha visto de preto!
Ele sorriu para ela. Em sua mente, ela parecia mais bonita então. O vestido preto de lantejoulas, que acentuava suas curvas e seus cabelos, num penteado no alto de sua cabeça, faziam com que ela parecesse ainda mais elegante.
"Não havia nada que eu quisesse mais depois de te ver naquele salão do que sair de lá... com você."
"Não havia nada que eu quisesse mais depois de te ver... do que te trazer aqui..."
"Bem, aqui estou eu..."
"Feliz que saiu?"
"Você não tem ideia..."
Seu rosto se aproximou do dele e eles se beijaram. O beijo foi suave no começo, mas depois ele assumiu o controle e o beijo tornou-se ardente, luxurioso.
No interior, ela estava gritando com alegria; ela adorava quando ele fazia isso!
Ele estava ficando mais excitado a cada segundo; ele amava a reação dela aos seus beijos.
Ela deu uma última olhada nele naquele terno preto; ele estava gostoso!
Ele deu uma olhada no decote dela; delicioso.
Eles se beijaram intensamente novamente e se jogaram no sofá. As roupas logo desapareceram.
Ela se divertiu com o terno preto saindo dele; ele ficou maravilhado com a visão de seu vestido caindo por seu corpo.
Egon tocava-a de uma maneira especial que só ele sabia como; Dana derretia-se ao seu toque.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 499
Data de inscrição : 28/02/2014

Tão casual quanto pode ser Empty
MensagemAssunto: Re: Tão casual quanto pode ser   Tão casual quanto pode ser EmptyDom Jan 27, 2019 11:28 pm

3


Ele passou a língua por todo o corpo dela, demorando-se em áreas delicadas, fazendo-a suspirar.
Ela se deleitou com a língua dele em seu corpo; seus seios ficaram mais sensíveis...
Ele desceu, encontrando sua feminilidade, ficando tonto com sua carne tenra, seu gosto...
Ela gemeu alto, a língua dele nela fazendo-a sentir-se louca de prazer.
A língua dele foi inundada por seus líquidos; ela gritou o nome dele no auge do prazer...

Beijando-o com paixão, ela levantou as pernas e sentiu seu membro massivo (longo, mas não muito grosso) esfregar em suas partes internas encharcadas.
Ele respirou pesadamente, gemendo suavemente através do beijo enquanto sentia as partes úmidas em seu membro.
Ela interrompeu o beijo e exclamou, sua voz transbordando de desejo:
"Me fode, Egon!"
Ele olhou em seus olhos castanhos, sabendo que era a bebida falando. No entanto, ele prontamente obedeceu, penetrando-a profundamente.
"Ohh..." ele gemeu. Ela gemeu alto.
Ele continuou no mesmo ritmo, olhando para ela, estudando o rosto e os olhos dela.
Ela gemia incessantemente, os olhos fechados, a boca emitindo gritos sem som.
Ele pegou velocidade e penetrou-a com mais força, erguendo as pernas delgadas dela.
"Oh, Deus, Egonnn!!!"
"Nngh!"
"Eu vou gozar!"
"Nngh... goza pra mim, Dana..."
Essa foi a gota d'água. Egon assumindo o controle e encorajando-a a ter seu alívio era absurdamente sexy. Ela teve um longo orgasmo.
Ele sabia que ela estava perto. Ela só precisava de outro empurrão, literal e metaforicamente. Ele chegou ao clímax, desabando em cima dela.
"Ohhh, isso foi tão bom... eu senti sua falta..."
"Isso foi extremamente prazeroso... é só assim com você..."
Eles sorriram um para o outro, beijaram-se ternamente e foram para a cama.
**********
"Eu não acredito!" Peter Venkman reclamou no dia seguinte. "Dana teve a coragem de me dizer que ela ficou com um cara na festa de ontem. Piranha!"
"Pete, ela mencionou essa festa pra você semanas atrás e você ficou dizendo que seria chata!" raciocinava Ray Stantz.
"Sim, mas acabou sendo divertida! Eu odeio isso!"
"Bom dia..." um sorridente Egon Spengler cumprimentou seus amigos.
"Bom dia, Spengs!"
"Ora, ora, doutor Spengler. O que você poderia estar fazendo fora de casa a noite toda?"
"Eu fui para a festa do Hilton."
"O que?"
"Uau, que coincidência!"
"Coincidência?
"O Peter estava dizendo agora mesmo que a Dana foi pra essa festa."
"Sim, e ela jogou na minha cara que ela dormiu com um cara lá!!"
"Ah, certo, e ele era... notável."
"Você viu ela?"
"Vi, sim. Muito mesmo. Agora, se vocês me derem licença, eu vou tomar um banho, um sal de frutas e vou para o laboratório. Tenham um ótimo dia, cavalheiros." Ele subiu as escadas assobiando "Higher and higher", de Jackie Wilson.
Peter olhou para ele com um olhar interrogativo no rosto.
Ray sorriu conscientemente para seu amigo.
O sorriso de Egon continuava estampado em seu rosto. Ele teve outra noite inesquecível com Dana e os olhares nos rostos de seus amigos eram muito divertidos.
Especialmente o de Peter.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
Conteúdo patrocinado




Tão casual quanto pode ser Empty
MensagemAssunto: Re: Tão casual quanto pode ser   Tão casual quanto pode ser Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Tão casual quanto pode ser
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Porque na CCB as irmãs não tem liberdade para pregar.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
J-fics :: Os Caça-fantasmas :: Ghostbusters / Ghostbusters 2-
Ir para: