Bem-vindo!
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe | 
 

 Uma visão lúgubre

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 468
Data de inscrição : 28/02/2014

MensagemAssunto: Uma visão lúgubre    Seg Abr 02, 2018 9:16 pm

Título: Uma visão lúgubre
Autor: strawberriesapples
Shipper: Egon/Dana, mas a história não é sobre eles...
Gênero: Drama (draminha =P)
Censura/Classificação: G
Capítulos: One shot
Nota: Ghostbusters 2
Resumo ou uma promo: Enquanto esperava sua companhia, Peter viu algo que o deixou desapontado...



Eu estava sentado a uma mesa no fundo do restaurante esperando pela minha companhia quando vi uma cena que me deixou estupefato, desolado e triste.
Dana Barrett tinha acabado de chegar acompanhada ao restaurante.
Nós tínhamos terminado mais uma vez há alguns dias. Eu pensava que Dana estivesse procurando um pai para o filho dela e eu realmente não estava preparado para isso.
Não brigamos feio nem nada, mas ela disse que se eu não pudesse aguentar o fato de que ela tinha um filho e que ele era a primeira prioridade em sua vida, era melhor que eu fosse embora. Eu fui.
Não, eu não sou egoísta a ponto de pensar que eu teria que ser a primeira prioridade na vida dela... Acontece que Oscar provavelmente iria virar uma das minhas, e eu não queria. Se eu não tive filhos até agora, é porque eu ainda não estou preparado.
Não me leve a mal, eu adoro aquele molequinho. Ele é esperto, e é um anjo de candura. Mas não é meu filho... Amo Dana, mas não posso criar um filho que não é meu. 
Numa atitude babaca, eu sugeri a ela que deixasse Oscar com o pai na Europa. Ela me deu um tapa na cara. É, eu mereci. A cretinice se liga sozinha quando eu não me sinto confortável.
Enfim, eu tentei ligar para ela para me desculpar, mas desliguei o telefone quando ouvi o primeiro alô. Ela provavelmente sabia que era eu.
Eu sinceramente estranhei o fato de Dana não ter me procurado de volta (ela já tinha feito isso antes – mas acabamos discutindo, por uma bobagem minha). E também estranhei o fato dela ter ficado tranquila em relação ao fato de eu ter partido mais uma vez – geralmente ela ficava com ódio de mim.
Mas agora eu entendia. Ela provavelmente já estava pensando nele.
Quem sabe até... tinha estado com ele.
Dana era uma mulher sofisticada, nasceu em Connecticut numa família abastada. Seu pai era um médico conhecido na cidade, e sua mãe, uma enfermeira. Eles tinham um consultório e o Dr. Barrett trabalhava em dois hospitais. Dana era uma das meninas populares da escola: era líder de torcida, era do time de vôlei, participava do grêmio, fazia equitação, balé, piano e francês.
Fez Artes e Inglês na faculdade e logo depois uma especialização em jornalismo. Teve alguns artigos publicados em uma revista local, mas decidiu largar o jornalismo quando foi convidada para tocar na Filarmônica de Manhattan. Como seu currículo era ótimo, ela foi trabalhar no museu também.
Enfim... Dana era uma mulher inteligente e refinada, e eu não sei como ela foi gostar de um embusteiro como eu.
Mas agora eu perdia totalmente as esperanças de que ela voltasse para mim um dia.
Ela tinha encontrado alguém muito melhor.
Ele também vinha de uma família abastada. Seu pai tinha feito várias pesquisas científicas bem sucedidas com os irmãos; a mãe era uma professora universitária – lecionava física. O menino terminou o ensino médio com 14 anos e já tinha doutorado em física astronômica com 21. Ele era um gênio, e, apesar de não ter muito talento para relações interpessoais, ele tinha lá seu charme. O conheci quando eu estava na faculdade e, apesar de ele não ser muito mais velho do que eu, já trabalhava lá, na época. E mesmo naquela época, eu notava que as mulheres sempre se atraíam por aquele semblante sério e o crânio enorme.
Ele também era sofisticado, de sua própria maneira e absurdamente inteligente. E tinha um gosto extremamente parecido com o dela.
Quanto mais eu observava os dois sentados à mesa, conversando animadamente, mais eu me perguntava como eles não tinham notado isso antes.
E quanto mais eu os observava, mais o meu coração se quebrava em pedaços.
Eles eram perfeitos um para o outro. E eu tinha a angustiante certeza de que eu estava perdendo o amor da minha vida...
Sentado à mesa com Dana, recebendo um delicioso beijo dela...
... estava Egon Spengler, meu melhor amigo.

FIM
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
 
Uma visão lúgubre
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
J-fics :: Os Caça-fantasmas :: Ghostbusters / Ghostbusters 2-
Ir para: