Bem-vindo!
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe
 

 Um moço ousado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 499
Data de inscrição : 28/02/2014

Um moço ousado Empty
MensagemAssunto: Um moço ousado   Um moço ousado EmptyDom Jun 26, 2016 10:40 pm

Título: Um moço ousado
Autor: strawberriesapples
Shipper: Peter/Valerie Cartwright
Gênero: Romance
Censura/Classificação: R
Capítulos: One-shot
Resumo ou uma promo: O reencontro de Peter e Valerie Cartwright...



Peter tinha ido para uma festa de aniversário com uma amiga de um amigo. Seu amigo tinha quebrado o braço e estava no hospital, então ele levou a moça. Mas por alguma razão, ela se livrou dele quando chegaram lá e começou a conversar com algumas outras pessoas.
Ele sentou-se sozinho em uma ponta de um sofá, tomando um copo de Coca-Cola, perguntando-se se tinha sido uma boa ideia vir. Quando ele decidiu que não era e estava pronto para sair, ele viu alguém que o fez mudar de ideia.
Ela estava conversando com umas pessoas que pareciam estar muito interessadas no que ela tinha a dizer. Bem, por que não? Ela era inteligente e sofisticada.
Valerie Cartwright. A moça doce e agradável que vivia em um bairro afluente e que o tratou gentilmente ele quando se conheceram. Ele estava caído por ela.
Peter sabia que ela era demais para ele, mas isso não o impediu de admirá-la, mesmo de longe. "Até pobres olham princesas", ele diria.
Ele a levou para sua festa de debutante, mas logo depois disso, ela foi para a Europa e ele não pôde cortejá-la, por assim dizer. Ele decidiu esquecer essa paixonite.
E ele realmente pensava que ele tinha concorrência, um cara chamado Ron Farnsworth, que aparentemente gostava da moça também. Peter suspeitava que fosse porque ela era rica, mas ele guardou para si.
Mal sabia ele que Valerie não estava um pouco interessada em Ronnie. Ela o achava terrivelmente irritante. Agora, Peter, por outro lado...
Ele decidiu ficar e tentar falar com ela de alguma forma. Ele foi para a mesa de bebidas. Um copinho de cerveja iria ajudá-lo a soltar-se.
Ele estudou por um tempo o que deveria dizer a ela e depois de alguns minutos, ele finalmente teve a coragem de se aproximar dela.
"Valerie?" disse ele, bem atrás dela. Ela se assustou e engasgou.
"Oh, Peter!" ela abraçou-o, fazendo-o sorrir. "Como você está?"
"Estou bem!" ele respondeu. "E você? Há quanto tempo!"
"Sim... sim... é... oh..." Ela não parecia tão bem.
"Valerie? Você está bem?"
"Eu acho que eu..."
Ela desmaiou em seus braços! Ele apenas segurou-a, sem saber o que fazer. De repente, ele gritou:
"SOCORRO!"
"Você! Monkee!" Peter ouviu uma voz familiar.
Era Ronnie Farnsworth, parecendo irritante como sempre.
"O que você fez com ela?"
"Nada, eu..."
"Peguem este homem! É evidente que ele fez alguma coisa com Valerie!"
"Não, ela desmaiou nos meus braços, eu..."
A essa altura, alguém já tinha chamado a segurança e Peter foi levado algemado.
"Mas... eu não fiz nada..."
"Você vai dizer isso para o chefe, filho."
Peter entrou no carro da polícia, cabisbaixo. Ele era inocente! Ele apenas disse "oi" para ela! O que ele iria fazer?!
Ele contou sua história para o delegado e ele disse que tinha de ouvir a vítima em primeiro lugar.
Peter foi mantido em uma sala especial. Não era uma cela, porque ele não tinha sido preso.
Ele ligou para seus amigos e eles ofereceram para pagar sua fiança. Ele disse que não havia necessidade, porque ele não tinha sido preso, mas que ele ia passar a noite na cadeia e que eles não deveriam se preocupar.
Enquanto isso, Valerie tinha sido levada para o hospital e os médicos viram que alguém tinha colocado algum tipo de sonífero em sua bebida. Mas ela estava bem e iria acordar no dia seguinte.
Ela acordou com o sol em seus olhos e a primeira palavra que ela disse foi...
"Peter?"
Ela não obteve resposta.
"Peter, você está aí?"
Uma enfermeira se aproximou para checá-la.
"Ora, bom dia!" ela disse. "Como você está se sentindo?"
"Eu estou bem! Cadê o Peter?"
"Quem?"
"O cara loiro bonito que estava ao meu lado... ahn... oh!"
Valerie percebeu que estava no hospital.
"Hum... o que..."
"Você está fazendo aqui?" continuou a enfermeira. Valerie assentiu. "Você desmaiou em uma festa e umas pessoas te trouxeram para cá."
"Peter... o Peter... ahn... o cara loiro..."
"Eu não vi nenhum cara loiro. Eu te atendi quando você veio e não havia nenhum cara loiro."
"Oh..." ela se sentiu um pouco triste. Onde ele estava?
De repente, as duas ouviram:
"Bom dia!"
"Bom dia, doutor!" disse a enfermeira.
"Como está se sentindo, querida?"
"Eu estou bem, doutor. Ahn... Você... você sabe o que aconteceu comigo? Eu-eu não consigo me lembrar..."
"Alguém colocou um comprimido para dormir em sua bebida, senhorita Cartwright."
"Meu Deus!"
"O garoto loiro que estava com você é o principal suspeito."
"PETER?? NÃO!!! Ele é inocente! Ele me salvou! Ele me impediu de cair no chão e bater minha cabeça!! Ele é inocente!!!"
"Oh, você vai ter que dizer isso à polícia!"
"Agora mesmo!" ela tentou se levantar.
"Ah! Ah! Não! Só depois de eu examiná-la e ver que você está bem."
"Oh... Será que vai demorar muito?"
"Nem um pouco, minha querida."
Valerie deitou-se na cama, frustrada. Ela tinha que salvar Peter! Ele a tinha salvado antes, agora era a sua vez!
Duas horas mais tarde, o médico disse que ela estava bem, mas que ela iria para permanecer no hospital por mais algumas horas, em observação.
O médico ligou para a delegacia e ela falou com o delegado, dizendo que Peter era inocente e que Ronald Farnsworth tinha entregado a ela uma bebida.
Ela tinha se lembrado de tudo, enojada. Como ele tinha dito que a bebida era especial, porque ela era especial. Ela nunca mais queria ver aquele crápula na sua frente.
***
"Boas notícias, Tork. Você está livre." disse o chefe, enquanto ele falava com Peter em seu quarto.
"Sério?" disse Peter, incrédulo.
"Sim. A Senhorita Cartwright ligou e nos disse que você a salvou."
"Oh..." Peter sorriu. "Como ela está?"
"Ela está bem. Ela ainda está no hospital, em observação."
"Oh, graças a Deus."
Peter chegou em casa com um olhar cansado no rosto. Assim que ele entrou, seus amigos o encheram de perguntas.
"O que aconteceu?"
"Que raios você tava fazendo na cadeia?"
"Você quer que a gente meta a porrada em quem fez isso com você?"
"Gente, calma!" ele disse.
Ele lhes contou toda a história, até o momento em que ele deixou a delegacia.
"Ohh, alguém vai muito perder uns dentes!"
"Calma, Mike!" Peter riu.
Peter descansou pelo resto do dia. Quando eram mais ou menos oito horas, ele saiu, bem vestido e cheiroso, um leve cheiro de loção pós-barba.
"Ei, aonde você vai?" perguntou Micky.
"Ver a Valerie!" ele respondeu com um sorriso. Seu amigo sorriu de volta.
***
Ele chegou à casa dos Cartwright e tocou a campainha. O mordomo abriu a porta e deixou-o entrar.
"Ahn... Estou aqui para ver a senhorita Cartwright."
"Certo...", disse o mordomo. "Eu acredito que ela está esperando por você, Sr. Tork."
"O que?"
"No andar de cima, a segunda porta à sua esquerda."
"Oh... obrigado."
O mordomo sorriu e saiu.
Peter subiu as escadas, um pouco ansioso. Ele encontrou a porta do quarto de Valerie e bateu.
"Entre!" ele ouviu.
Ele abriu a porta e timidamente enfiou a cabeça.
"Valerie?"
Ela estava sentada em sua cama, com um livro no colo.
"Peter!! Entre, por favor!"
Valerie jogou o livro de lado e correu em direção a ele. Ele entrou lentamente.
Ela jogou os braços em volta dele.
"Oh, Peter, eu sinto muito!"
"Oh... tudo bem!" disse ele, abraçando-a de volta. "Como você está se sentindo?"
"Eu estou bem, obrigada."
"Você... você sabe quem fez isso com você?" ele perguntou, enquanto ela o arrastava para sentar-se em sua cama.
"Humpf... Ronald Farnsworth."
"Ha! Tinha que ser... foi ele que me culpou."
"Ele não fez isso!"
"Fez. Ele viu você em meus braços e não perdeu tempo. Quando eu dei por mim, eu estava dentro de um carro da polícia, algemado."
"Aquele crápula! Eu sinto muito mesmo, Peter!"
"Tudo bem. Estou feliz que você esteja se sentindo melhor." Ele segurou a mão dela.
"Eu estou. Obrigada."
Ela se aproximou dele lentamente e ele fez o mesmo. Eles se beijaram. Um beijo suave, doce.
Mas um fogo se acendeu dentro de Valerie. Ela beijou Peter mais uma vez, mais profundamente, desta vez.
Ele respondeu da mesma maneira, sua língua acariciando a dela.
Ele interrompeu o beijo, chupando-lhe o lábio inferior.
Ela estava surpresa. O baixista doce, tímido e sensível a deixou úmida com apenas alguns beijos.
"Oh, Peter..." ela respirou e beijou-o de novo, sentada em seu colo, de frente para ele.
Ela não se importava com o que estava fazendo. Ela o desejava e o desejava muito.
Ela o beijou novamente, beijos curtos que lhe davam um choque elétrico em todo cada vez que seus lábios tocavam os dele.
Ele sorriu. Aquele sorriso fofo com uma covinha ainda estava lá, mas agora tinha um elemento de travessura. Ela enlouqueceu.
Ela beijou sua bochecha, passando a língua na estúpida covinha. Ele riu.
Ela sorriu e desceu para seu pescoço.
"Valerie...", ele começou.
"Sim...?" ela sussurrou em seu ouvido.
"Você tem certeza?..."
"Oh, Peter..." ela começou e olhou profundamente em seus lindos olhos castanhos. "Eu quero você desde a primeira vez que eu te vi."
Peter ficou surpreso. Essa era "sua fala", por assim dizer. Ele sorriu o mesmo sorriso travesso com a covinha e beijou-a profundamente, abraçando-a com força.
Valerie foi ficando cada vez mais inflamada. Ela via Peter com outros olhos agora. Ele ainda era o baixista doce dos Monkees, mas agora, além de bonito, ele era sexy, sensual e sedutor.
Ele desceu até o pescoço, deixando beijos molhados ali. Ela correu os dedos pelos cabelos sedosos dele.
"Mmm... Peter..."
"Mmm..."
"Peter?..." ela chamou.
"Sim?"
Ela olhou-o nos olhos profundamente, o coração batendo forte no peito.
"Faça amor comigo, Peter."
Suas palavras fizeram Peter perceber que suas calças estavam ficando muito apertadas. Sua mente em uma névoa, ele olhou para os lábios dela, em seguida, seus olhos, então de volta para seus lábios, beijando-a profundamente mais uma vez.
Valerie nem sequer teve tempo de registrar o beijo; Peter tinha puxado a camisola dela para cima e as mãos dele estavam correndo em suas coxas, apertando-as ligeiramente.
Enquanto isso, ela estava desabotoando sua camisa, expondo um peitoral bem definido. Ela arranhou-o suavemente.
Ele continuou acariciando-a, subindo por seu corpo: os quadris, a cintura, as costelas e...
"Ohh..."
Ele tinha tocado nos seios dela, apertando suavemente os mamilos.
Ele tirou a camisola e colocou Valerie cuidadosamente na cama, olhando para seu corpo, maravilhado. Ele se ajoelhou na cama e desfez o cinto e as calças, puxando-as para baixo e retirando-as.
Ela também ficou maravilhada. Ele tinha pernas bem definidas e a frente da cueca não deixava nada para a imaginação...
Ele aproximou-se e beijou-a novamente. Ela o beijou de volta ansiosamente.
Ele desceu por seu corpo, os lábios maravilhosos dele acariciando sua pele.
Ele beijou sua clavícula, peito, por entre seus seios e a área sob eles. Ela exalou alto.
Ele finalmente beijou-os, a pele delicada dela provocando arrepios na espinha. Ele ficou mais ousado e passou a língua em torno deles e em seus mamilos.
"Oooooh..." ela gemeu.
Ele fechou a boca em torno de um deles e chupou.
"Ahh..."
Ele fez o mesmo com o outro e voltou para o seu pescoço.
"Mm, Peter!..."
A maneira como ela disse o nome dele fez sua cueca ficar ainda mais apertada. Ele mal podia esperar para estar dentro dela. Mas ele ia devagar. Isso provavelmente aconteceria uma só vez e ele tinha que aproveitar.
Ele desceu pelo corpo dela novamente e tirou dela a calcinha. Passando as mãos levemente nas pernas dela e voltando para seu pescoço com os lábios, ele cautelosamente introduziu um dedo dentro dela.
"Ohhh!"
Seu polegar roçou em seu ponto sensível enquanto ele introduzia um segundo dedo.
"Ohh, Peter!"
"Ohh... você está tão molhada..."
A voz grave dele deixou-a ainda mais molhada.
De onde é que veio este homem suave e sedutor?? Onde estava o menino tímido que mal podia falar com ela?
De qualquer maneira, ele estava deixando-a louca de desejo. Suas ministrações deixavam uma marca quente onde ele tocava.
Ela chegou ao clímax rapidamente, gemendo alto. Quem diria que o menino doce e aparentemente inocente era um amante sensacional?
Cheio de coragem, ele desceu pelo corpo dela novamente com os lábios, beijando o interior de suas coxas, seu quadril e a parte inferior do abdômen.
Ela estava respirando com dificuldade. Ele ia fazer o que ela pensava que ele ia fazer?
Sim. Ele levou a boca para seu centro e começou a chupar.
"Oh, meu Deus!"
Ele fez com a língua o que ele tinha feito com os dedos. Ele a enfiou dentro dela e deixou-a passar em seu ponto sensível.
Valerie sentia outro orgasmo chegando. A língua de Peter estava deixando-a à beira da insanidade.
Ela o teve, jogando a cabeça para trás, gemendo alto. Ela ficou bastante surpresa. Claro, ela estava libidinosamente atraída por ele, mas ainda assim. Ela nunca esperava que ele fosse tão bom. Pelo contrário, ela pensou que ele fosse ser inábil e desajeitado. Mal sabia ela...
Ele voltou para sua boca e ela o beijou avidamente. Descendo para o pescoço dela de novo, ele começou:
"Oh, Valerie... você não tem ideia... de quanto tempo eu esperei por isso..."
"Oh, Peter... Eu poderia dizer o mesmo!..."
Ele empurrou sua cueca para baixo e tirou-a com a ajuda dela. Ele a penetrou tão lentamente quanto podia, apreciando a sensação de finalmente fazê-lo.
"Ahhhh!..."
"Ohh..."
Valerie não conseguia parar de gemer. O homem a atingia em lugares que ela nem sabia que existiam! E ele era calmo, lânguido.
"Ohh... ah..."
"Ah..."
A sensação dele dentro dela era fantástica. Ele era muito... gostoso, e muito... bem dotado.
Peter estava ofegante agora, o seu ritmo acelerado. A moça era apertada e ele estava ficando louco.
"Ahh... Valerie..."
"Ohh, Peter... Eu estou... perto..."
"Nngh, eu também..."
"Por favor!!! Ohh!"
Ele sentiu aquela sensação familiar por todo o corpo. Ele tremia todo, a força de seu orgasmo, esmagadora.
"Ahhh!" ele gritou, quando se sentiu preenchendo-a.
"Ohh, Peter!" ela gemeu alto, extasiada com a onda de prazer passando por ela.
"Oh, uau..." ele exalou, saindo de cima dela.
"Oh, meu Deus!... Peter!"
"O que?"
"Onde você estava se escondendo?" ela riu.
"Ha! Eu... não estava!..." ele riu também.
Ela riu novamente e abriu a gaveta de sua mesa de cabeceira. Ela pegou um maço de cigarros e um isqueiro, acendendo um. Dando uma tragada, ela perguntou-lhe:
"Você não se importa, não é?"
"Nem um pouco..." ele sorriu.
"Oh, Peter... você realmente é uma surpresa a cada minuto!"
Ele riu com vontade. Ela entregou-lhe o cigarro e ele deu uma tragada.
Minutos depois, ele a beijou, levantou-se, vestiu suas roupas novamente e foi para casa, mas não antes de prometer a ela que iria ligar para ela no dia seguinte.
Ele chegou em casa e encontrou Micky distraído assistindo alguns programas de TV.
"Oi, Pete!"
"Oi!"
"Então, como está a senhorita Cartwright?"
"Ah, ela está melhor. Muito melhor..."
"Ótimo... Ei, ei, eu não quero ver um show de strip tease agora! Se você fosse uma loira curvilínea, por outro lado..." Micky disse enquanto via seu amigo tirar a camisa.
"Desculpe, Mick. Ahn... Eu tenho que tomar um banho..." Peter deu um sorriso meio envergonhado e saiu.
Micky sorriu um sorriso malicioso e voltou ao seu programa de TV.

FIM


Um moço ousado Peter_Valerie9_zpsddv9vip3
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://jfics.forumeiros.com
 
Um moço ousado
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
J-fics :: The Monkees-
Ir para: